LEITOR: LUIZ HENRIQUE

dia terça-feira, 28 de junho de 2011
       Caro Jander Freire, gostaria de principiar minha resposta acerca do que penso sobre idolatria utilizando as palavras do pastor Geraldo Carneiro da Assembléia de Deus de Cascavel. Segundo ele:“Ser idólatra não significa apenas adorar uma imagem de escultura; mas também reverenciar o próprio eu, um objeto, uma pessoa ou qualquer coisa que tente anular o dever de o homem cultuar a Deus. Por isso, os cantores e pregadores não devem ser adorados, pois isto é uma forma velada de idolatria, que é condenada por Deus. (...) Tudo aquilo que o homem ama mais do que a Deus, torna-se o seu deus, incluindo aí a avareza. (Pastor Geraldo Carneiro Filho – Assembleia de Deus de Cascavel) Fonte: http://www.adcascavel.com.br/escola.php?page=269.

        Concordo plenamente com o pastor Geraldo Carneiro acerca do que é idolatria, pois substituir Deus por outra coisa seria transgressão do primeiro mandamento do decálogo: “Amar a Deus sobre todas as coisas”. De fato, infelizmente existem muitos idólatras no mundo, justamente porque não dão a Deus o lugar que lhe é devido. Ser idólatra é amar e adorar algo mais do que a Deus. Mas, não entendo por que muitos protestantes acusam os cristãos católicos de idolatria. Acaso, nós católicos, substituímos nosso Deus por alguém ou alguma coisa? O nosso culto, a Santa Missa, é memorial da vida morte e ressurreição de Jesus, onde partilhamos a Eucaristia: corpo e sangue de Cristo entregue por Ele mesmo na última ceia e que Ele mandou fazer em sua memória. Adoramos a Jesus na Eucaristia, pois cremos que a Palavra de Cristo não é falsa. Como podemos ser idólatras? Será por causa dos santos da Igreja? De forma nenhuma. Esse argumento seria válido para aqueles que nunca foram católicos e que não tem conhecimento da nossa fé. Os santos são adoradores do Deus vivo, são testemunhas de Jesus, que uniram suas vidas a dele e hoje estão recebendo a coroa da glória. O próprio Senhor disse ao bom ladrão: “ainda hoje estarás comigo no paraíso” e no apocalipse João, preso na ilha de Patmos tem a visão daqueles que lavaram suas vestes no sangue do cordeiro e hoje, com palmas de vitória nas mãos, louvam ao cordeiro. Como não lembrar das testemunhas do Senhor? Eles não são deuses e nunca serão! Eles não são postos no lugar da Trindade Santíssima e somente um ignorante da fé católica pensaria assim.

       Reli, em atenção ao seu pedido, os trechos bíblicos de: Êxodo 20:4-5, Isaias 42:8, I Timóteo 2:5 e Hebreus 7:22-26. Realmente a Palavra de Deus é belíssima, mas tais trechos isoladamente não fornecem conteúdo bastante para falar de idolatria, pois na nossa Igreja Católica, costumamos dizer que texto sem contexto é pretexto de heresia! Sem falar que com tudo isso só iremos cair em um fundamentalismo sem sentido (que destarte tratarei). É interessante perceber que quando Deus proibiu o homem de fabricar para si imagens de escultura (Ex. 20, 4-5), falou de forma literária mesmo. Fabricá-las seria quase imitar o próprio Deus, parodiá-lo em sua criação. Os mulçumanos seguem essa ordem estritamente e não reproduzem imagens da criação, como bonecos, animais em miniatura etc. Mas, quando essas imagens servem para enaltecer o próprio Deus, parece que essa ordem entra em cheque. Lembra-se caro irmão, de como era ornado o templo de Jerusalém? Com imagens de querubins enormes, assim também como na parte superior da arca da aliança, onde eram guardadas as tábuas da lei. Mas, o mais interessante é a escultura da serpente de bronze que Moisés levantou no deserto por ordem do próprio Deus a fim de curar o povo do veneno das serpentes, porém, quando o povo quer adorar a serpente, ela é retirada. 

       De fato, o problema da questão não é a escultura, e sim como ela é usada. Na Igreja Católica, os ícones e imagens são utilizados por uma eficácia catequética, onde as figuras representam passagens bíblicas. Tentar através da arte representar a figura de Nosso Senhor Jesus Cristo, é uma forma de criar sinais que nos apontam ara Deus. Semelhante a serpente do deserto no livro do Êxodo. Quando se olha para os sinais, tem-se imediatamente lembrança das coisas divinas. É proibido fazer imagens de Deus Pai, pois ele não é algo que se possa abstrair, por isso, as imagens de Cristo, que é a revelação do Pai, são uma maneira de o povo de Deus manifestar a sua fé, adoração e amor, não na imagem em si, mas no Deus que está no céu. Com relação a questão de Cristo, único mediador entre Deus e os homens (ITm 2, 5), isso é fato. Mas é necessário conceituar teologicamente a palavra intercessor. De fato, o homem pelo pecado de Adão, rompeu com Deus e quebrou a santidade original que o Senhor lhe dera. Somente um sacrifício realmente eficaz, que esta muito distante dos feitos por Abel, Melquisedec, etc., poderia religar o homem novamente a Deus. É por isso que nós chamamos Jesus de redentor, salvador e mediador, pois somente Ele e ninguém mais poderia salvar o mundo e unir de novo Deus e homem através de uma nova árvore da vida, a cruz. Cristo é o único intercessor entre Deus e os homens porque só Ele pode salvar o mundo e ninguém mais. Realmente foi um sacrifício perfeito e santo, Ele que é ao mesmo tempo sacerdote altar e cordeiro imolado pelos homens (Hb 7, 22-26). Assim, Deus nunca cederá seu lugar a um ídolo (Is 42, 8), mas infelizmente vejo muitos protestantes que se dizem cristãos instrumentalizando a Palavra de Deus sem conhecimento para justificar suas próprias esdrúxulas idéias. É o que pregam os teólogos xinfrins da teologia da prosperidade que prometem riquezas e bens em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, que em toda sua vida viveu em pobreza e simplicidade. Em nenhum Evangelho, Cristo prometeu riquezas, mas o contrário: “Quem quiser me seguir, toma sua cruz e me siga.” Muitos protestantes, por muito tempo, enganaram o povo simples e sem estudo com seus pobres argumentos de que a Igreja Católica é idólatra, as vezes até chamando-a de babilônia, ou seja, o berço do pecado da desobediência e da idolatria. Sabemos que não é assim e que a Igreja Católica Apostólica Romana foi fundada pelo próprio Deus encarnado, Jesus Cristo. O mesmo afirmou que as forças do inferno nunca prevalecerão sobre ela, pois Ela é santa (por ter sido fundada por Jesus) mas também pecadora (por ser formada de homens). Mas o protestantismo barato e fajuto, usa o nome de Deus para encher seus cofres, afinal foi para isso que ele surgiu: na Inglaterra para tomar o bens doados a Igreja, por Calvino para apoiar ideologicamente a burguesia e o uso da usura. O único inocente nessa história é Lutero, que nunca quis fazer um cisma, mas reformar a Igreja interiormente. Pobre Lutero, com boas intenções, mas mal compreendido. Por fim, digo que a maior idolatria do século é o capitalismo, a busca pelo dinheiro e pelo poder político usando o pretexto de anunciar a Palavra de Deus. Vejam meus irmãos, que enquanto muitos caluniam nossa Santa Igreja com difamações, por inocência ou ignorância, se perdem em meio a busca do lucro. Existem hoje muitos problemas sociais que fazem sofrer muitos de nossos irmãos. Se os cristãos não perdessem tempo com discussões sem sentido e colocassem em prática a Palavra do Evangelho que nos ensina a acolher os pobres e sofredores, com certeza daríamos mais testemunho de batizados em Cristo ao invés de darmos mal exemplo aos demais. Peço em nome de Cristo que os protestantes parem de perseguir e difamar os católicos, pois se somos irmãos em Jesus, ele deseja que nos amemos como Ele nos amou.
Atenciosamente, Luiz Henrique Pereira 
Comentários
33 Comentários

33 comentários:

PARABÉNS Luiz Henrique!

Jander,

Quando você ler algo e não entende, não quer dizer que o autor está errado.

Caro Silva, todos os dias leio seu blog e gosto muito do q leio,mas quando entra essas discurssões religiosas o papo fica chato,parece q não vai ter fim,cada um defende a religião q acha correta.Então seria muito bom que vc não publicasse mas essas materias,porq se vc permite amanha concerteza teráoutra e mais outra e na realidade não saberemos que estar com a razão.

Não me identifiquei pois não quero q esse post vire motivos pra discurssões e só o que penso.

O comentário do teólogo Luiz Henrique foi endereçado a Jander, mas me achei na obrigação de fazer alguns comentários sobre alguns de seus argumentos.

Luiz Henrique começa seu texto falando que concorda com o conceito de idolatria, apresentado pelo pastor Geraldo Carneiro, mas em seu comentário exclui totalmente a possibilidade da presença de idolatria nas práticas católicas. Ele faz isso mesmo sabendo e admitindo que sua igreja está carregada de símbolos, imagens e rituais que acabam, no mínimo, colocando Deus no esquecimento.
O que dizer do culto que as pessoas fazem com as imagens dos santos? Muitos as beijam, as mantém penduradas nas paredes, as carregam em forma de miniatura, fazem promessas, procissões, etc. E os templos? Cada um é dedicado a uma criatura, enquanto que as pessoas da Trindade são esquecidas. Isso não seria colocar a criatura no lugar de Deus? Os santos merecem o nosso respeito. Por isso mesmo não podemos sair com suas imagens numa prática idólatra. Eles nunca foram idólatras em sua prática cristã. Nem o anjo que apareceu a João, na Ilha de Patmos admitiu uma adoração semelhante à praticada nos dias de hoje (Ap 19.10; 22.9). Pedro, quando chegou na casa de Cornélio (Atos 10.25) este se lançou aos pés daquele, mas foi repreendido e instruído a adorar a Deus. Será que Pedro mudou depois de sua morte e já admite o que estão fazendo com ele hoje? Qual a diferença? Não estão se dobrando do mesmo jeito? Ou não se dobram? Ou será que se dobram diante da imagem de Pedro, João, etc. com a intenção de estarem se dobrando diante de Deus?

Continuação da resposta ao comentário de Luiz Henrique

Mas o interessante nisso tudo é que o teólogo não admite idolatria no meio católico, mas faz acusações de que existe idolatria no meio evangélico. Ora, se partíssemos da lógica católica, jamais haveria idolatria em nosso meio. Se eles andam carregados de toda sorte de bagagens simbólicas e não admitem idolatria, como transferir esse pecado para os evangélicos? Mas acontece que, na verdade, a Igreja Católica é idólatra e muita coisa no meio evangélico também é idolatria e desvio doutrinário. Tentar esconder isso é cegueira espiritual e pretexto para se meter em encrencas religiosas, sem fundamento. Quem é idólatra, seja católico, evangélico, ou de qualquer outro credo, já possui uma vaga garantida no lago de fogo, a menos que se converta. Isso é o que diz a Bíblia.

Outra afirmação do teólogo me chamou a atenção: ele fala em um “bom ladrão”, que foi salvo, já na cruz. Eu não sei se o teólogo conhece algum “bom ladrão”, lá pelo bairro onde mora. Ora amigo, as pessoas que eram condenadas à morte de cruz eram as praticantes de crimes hediondos. Com uma criatura daquela pode ser chamada de bom? O próprio admitiu que estava condenado porque merecia (Lc 23.41). aquele homem foi salvo, porque admitiu seu pecado e buscou o perdão, na hora certa e da pessoa certa: Jesus Cristo. Imagina se ele se vale de João, Pedro, Maria! Como estes teriam respondido? Já que não poderiam encaminhar aquele pecador suplicante ao paraíso?

O teólogo também fala das igrejas que praticam a usura. Ele tem toda a razão quando condena tal prática. A Bíblia diz que aqueles obreiros (líderes de igrejas) que entram por esse caminho se traspassam a si mesmo e se desviam (1Tm 6.10). Muitos líderes evangélicos são detentores de patrimônios milionários, exatamente por terem entrando nesse engano. Mas será que eles não aprenderam com o Vaticano? A história daquele reino não é de brincadeira. Esqueceu os princípios cristãos de desapego ao vil metal e se tornou mais arrecadador do que o sistema tributário brasileiro. Lembram das indulgências? E as grandes áreas de terras em seu poder? E o mais grave: com todas essas terras ainda encontra dificuldades em ceder pequenas áreas para a construção de escolas públicas. Alguém conhece algum caso?

Quanto ao pedido do teólogo concernente à perseguição dos evangélicos aos católicos, eu não entendi o que ele quis dizer.Não sei se ele entende por perseguição algo semelhante à queima de pessoas vivas, praticadas pela “Santa Inquisição”. Ou será que ele está falando da queima de Bíblias em praça pública, como aquela pratica em Mossoró, num passado não muito distante? Mas pode ser que ele esteja pensando em um apedrejamento, semelhante ao que ocorreu no princípio de uma igreja evangélica em Upanema. Não sei que perseguição é essa. Será que ele tem vontade de nos calar? De nos parar de falar aquilo que está escrito na Bíblia a respeito da idolatria. Não! Não acredito em tal possibilidade! Luiz Henrique é uma pessoa civilizada e amorosa!

Jesus te ama!

Errata: A passagem bíblica que fala da serpente abrasadora no deserto, está situada no livro dos NÚMEROS e não no Êxodo. Obrigado!

Henrique, você perguntou se os católicos substituíram Deus. Sinceramente, Henrique, os lideres substituíram, pelas imagens e por eles próprios.

Quando você diz que os “santos” são adoradores de Deus, que estão hoje adorando Ele, você está cometendo um erro. Com relação a declaração de Jesus, Alejandro Bullón argumenta: “Se Jesus tivesse dito ao ladrão que naquele mesmo dia, após a morte, ambos se encontrariam no paraíso, haveria algumas incoerências que não teriam explicação. Vejamos:

“1. Cristo não foi ao Céu no mesmo dia que morreu. Quando apareceu Maria Madalena, na manhã de domingo, que já era o terceiro dia após a Sua morte, ‘Jesus disse: Não Me segure, pois ainda não voltei para o Pai. Vá, porém, a Meus irmãos e diga-lhes: Estou voltando para Meu Pai e Pai de vocês, para Meu Deus e Deus de vocês.’ Se três dias depois de Sua morte Jesus não tinha subido ao Céu, então Ele mentiu para o ladrão.

“2. Jesus prometeu, estando ainda neste mundo. ‘E se Eu for e lhes preparar lugar, voltarei para Mim, para que vocês estejam onde Eu estiver.’ Como poderia Jesus prometer levar Seus filhos ao Céu quando Ele retornar, se ao morrer os bons já vão para o Céu? Por este motivo o ladrão pediu: ‘Lembra-te de mim quando entrares no Teu reino.’ A resposta de Jesus foi: ‘Eu lhe garanto hoje, você estará comigo no paraíso.’ Quando? Quando vier no Seu reino.” (BULLÓN, Alejandro. “Por Que Ter Medo da Morte?”. Passaporte Para a Vida, 2004, p. 150 - 152.)

É bom lembrar que essa declaração no texto original foi escrito em grego. O texto grego diz: “Em verdade te digo hoje estarás comigo no paraíso.” O texto grego foi escrito, como era o costume daquele tempo, sem pontuação. A conjunção “que” é um acréscimo que alguns tradutores colocaram.

E com relação a visão de João, aquela foi uma visão dos salvos depois da volta de Cristo, ou seja, algo que está para acontecer, não diz respeito a algo que está acontecendo. A Bíblia é clara quando diz que os mortos estão na sepultura, não no inferno, paraíso ou purgatório.

E outra coisa, você disse que não podemos nos esquecer das testemunhas [ainda que estejam mortas], mas uma coisa é lembrar, outra é louvá-las com hinos, fazer pedidos a elas ou reverenciá-las, então na medida em que se faz essas coisas, substitui-se Deus.

O debate está mais quente que forno de caieira, mas é bom que exista, só para que a gente escute a sabedoria de várias cabeças.

Discordo de quem diz que não devem ser publicados comentários acerca desses assuntos. Acho que não deveria, sim, serem publicados comentários anônimos.

É bom, como dizia, que conheçamos a teologia de todos.

É bom que saibamos que quem acusa, também tem de que ser acusado.

Está claro, até agora, que o que se pratica no catolicismo é idolatria; no protestantismo, não.

Exemplos: no catolicismo é idolatria quando se carrega uma imagem. No protestantismo, podem levar em procissão, fotos de baluartes que passaram pela cidade, sem que chamemos isso de idolatria; também podem pintar quadros de personagens e paisagens antigas.

Está bem entendido. Não é necessário mais haver explicação.

No catolicismo é idolatria porque ao conduzi-las, as imagens são recebidas com deuses

Como uma simples pergunta faz tanto efeito? Agora entendi porque os cachorros se apegam tantos aos ossos.
Não vou entrar na discursão, pois entendo que os católicos estão longe de serem cristãos, precisando, portanto se converterem, só então debateremos, juntos, a teologia de Deus

Você esta certo Xavier. Realmente isso os protestantes não enxergam. Isso tudo por conta de um Arraía, ja sei que incomodou, kkkkkk E proximo ano tem que ter mais viu membros do Jcc. Pq realmente foi muito bom, uma festa muito bonita e bem prestigiada pela população Upanemense, realmente uma valorização da nossa CULTURA. Parabéns a todos esses jovens que organizaram o evento. Fico Aguardando no proximo ano o III ARRAIÁ FESTEJANDO A VIDA!

Tiago, então foi por isso que vc postou esse comentário?

Esses debates, embora civilizados, até agora, estão acontecendo com as pessoas erradas.

São ~30% de cristãos no mundo, divididos entre católicos, ortodoxos, protestantes, etc.

Tem outros ~70% de pessoas no planeta que não compartilham da fé em Cristo.
Ficar entre cristãos, teoricamente irmãos na mesma fé, discutindo quem tá certo ou errado não leva a nada.

É o mesmo que discutir o sexo dos anjos.

Existem ~4 bilhões de pessoas que não compartilham da fé nos ensinamentos de Jesus.

eu só digo uma coisa tanto a Igreja Católica como as Evangélicas tem suas idolatrias ocultas e essas discussões só irão aumentar ainda mais a rixa, uma sugestão que dou que vc's que dizem ser cristãos deixem suas idolatrias.
Tanto a Igreja Católica como a evangélica dizem não existir idolatrias em suas congregações.

Xavier vc. é de ++++ gostei das suas EXPLICÕES .

Tem idolatria maior do que querer fazer de Jesus Cristo um "cartão de Crédito"??? Hooooo Venha para minha religião que você: vai ter sua casa própria; vai conseguir seu carro; vai conquistar seu emprego; vai realizar seu sonho; vai...; vai...; vai...; Eu garanto que é assim que algumas igrejas protestantes fazem, fazem não, prometemmmm. Já estive lá e comprovei. Agora digo como eles: "MISERICORDIAAA"

Cledson Carlos 6/28/2011 7:44 PM

Amados irmãos católicos e evangélicos. Tenho acompanhado o debate que surgiu após o arraiá da juventude católica de Upanema. Lamento tamanha agressividade nas palavras de ambos, quando o que deve nos caracterizar é o amor, maior mandamento que Jesus nos deixou. Temos opiniões divergentes sobre vários pontos doutrinários, como intercessão de santos, uso de imagens etc. Contudo o que nos une é muito maior: o amor de Cristo nos uniu! E temos muito mais pontos em comum do que divergentes, e como não aproveitamos tamanha herança comum! Nós os discípulos de Cristo devemos ser reconhecidos pelo amor mútuo.
Os católicos acreditam que podem ter imagens e pedir intercessão de santos, devem fazer isto achando que estão realizando o bem. Ou será que poderiam realizar tais atos tendo a certeza de estarem ofendendo a Deus? Acredito que não. Já os evangélicos não realizam estas práticas, acreditando que agradam a Deus e não o ofendem por omitirem tais atos. Será que procurando assiduamente realizar a vontade de Deus o desagradariam? Também acredito que não.
Tanto para uns como para outros Deus é amor e misericórdia. Um Deus assim parece não prender-se a tão pequenos detalhes: “Quero amor e não sacrifícios”. Obviamente existem verdades fundamentais cristãs, estas não podem ser contestadas sem o risco de não deixarmos de ser cristãos, mas não se referem a questões de imagens e santos. Acredito que cada cristão tem a liberdade de fundamentar sua doutrina conforme sua igreja escolhida. Quem quer ser católico poderá ser, quem quer ser evangélico também. Dentre as coisas indispensáveis a ambos com certeza está o amor. E ainda mais, é bom nos acostumarmos a amar o diferente, pois no céu, um dia, estaremos juntos lá. Talvez a primeira coisa que façamos ao entrar no céu seja uma reconciliação com quem não aprendemos a amar e respeitar aqui na terra. E digamos “como perdemos tempo com coisas tão pequenas!”
A esta altura alguns se perguntam se sou católico ou se sou evangélico. Tenho muita alegria em afirmar que sou cristão. E amo evangélicos e católicos. Quanto ao fundamento a favor do catolicismo, os católicos procurem na igreja católica; quanto ao fundamento a favor do protestantismo, os evangélicos procurem na igreja evangélica. Aqui só poderemos amar.
Abraço

De fato o debate está "quente como boca de caieira"... porém, ainda sai tijolo cru!

Ultimamente tais comentários postados nesse espaço têm me inquietado, sobretudo, porque não sei se estes se devem "a liberdade religiosa" de que tanto falam, ou ao contrário, a "INTOLERÂNCIA religiosa". O fato é que os comentários depositados aqui de ambas as parte estão carregados de "preconceito", muito embora, bem sei que; intolerância, preconceito, desrespeito, são características das religiões monoteístas tais como o "cristianismo" que (quando se distância de sua essência), infelizmente, excluem toda experiência de contato com o Divino fora de sua doutrina, de sua crença religiosa.
Com efeito, me parece que todo esse bafafá é, de fato, fruto da intolerância religiosa dos cristãos que esqueceram seus princípios. Afinal, como disse ENTRETENDO & SINFORMANDO: “no catolicismo (visto sob o olhar do protestantismo) é idolatria quando se carrega uma imagem. No protestantismo, podem levar em procissão fotos de baluartes que passaram pela cidade, sem que chamemos isso de idolatria; também podem pintar quadros de personagens e paisagens antigas”. Esse tipo de atitude “cristã” mais parece um duelo ideologicamente doutrinário do que opção de vida. Ora, belo exemplo de comunhão, de fraternidade, de unidade, vocês que são “cristãos de carteirinha” estão dando ao mundo. Muito bonito o reino de Deus que vocês estão construindo!!!
Para finalizar minha inquietação, eu os convido a meditar (IICor 13, 11) “11Irmãos: Alegrai-vos, trabalhai no vosso aperfeiçoamento, encorajai-vos, cultivai a concórdia, vivei em paz, e o Deus do amor e da paz estará convosco”.
Júnior Paiva.

Ultimamente tais comentários postados nesse espaço têm me inquietado, sobretudo, porque não sei se estes se devem "a liberdade religiosa" de que tanto falam, ou ao contrário, a "INTOLERÂNCIA religiosa". O fato é que os comentários depositados aqui de ambas as parte estão carregados de "preconceito", muito embora, bem sei que; intolerância, preconceito, desrespeito, são características das religiões monoteístas tais como o "cristianismo" que (quando se distância de sua essência), infelizmente, excluem toda experiência de contato com o Divino fora de sua doutrina, de sua crença religiosa.
Com efeito, me parece que todo esse bafafá é, de fato, fruto da intolerância religiosa dos cristãos que esqueceram seus princípios. Afinal, como disse ENTRETENDO & SINFORMANDO: “no catolicismo (visto sob o olhar do protestantismo) é idolatria quando se carrega uma imagem. No protestantismo, podem levar em procissão fotos de baluartes que passaram pela cidade, sem que chamemos isso de idolatria; também podem pintar quadros de personagens e paisagens antigas”. Esse tipo de atitude “cristã” mais parece um duelo ideologicamente doutrinário do que opção de vida. Ora, belo exemplo de comunhão, de fraternidade, de unidade, vocês que são “cristãos de carteirinha” estão dando ao mundo. Muito bonito o reino de Deus que vocês estão construindo!!!
Para finalizar minha inquietação, eu os convido a meditar (IICor 13, 11) “11Irmãos: Alegrai-vos, trabalhai no vosso aperfeiçoamento, encorajai-vos, cultivai a concórdia, vivei em paz, e o Deus do amor e da paz estará convosco”.
Júnior Paiva.

Diga a esse teólogo que responda aos argumentos do professor Francisco Gondim. Agora responda!!

Xavier não admite nenhum erro da sua santa igreja e tenta a todo custo dizer os desfiles evangélicos são a mesma coisa que aquilo praticado pelos seguidores do Vaticano. Mas não desista, pois existe uma multidão de desavisados que ainda acreditam no conto do vigário.

Não precisa dizer mais nada, Francisco disse tudo!
Este é o nosso presbítero.
Só não entendi uma coisa, cadê meu cunhado JANDER? Tá em Upanema?

Caríssimo Luiz Henrique...

...Não, você não concorda com o que disse o pastor Geraldo não! Você nem prestou atenção no que ele falou! E ainda adequou um pedaço do que ele disse para, sutilmente, mascarar o que diz a Bíblia sobre idolatria. Pura evasiva.

Meu caro, idolatria é o culto prestado a ÍDOLOS (criaturas ou objetos), sendo o ídolo a figura que representa uma divindade, não tendo nenhum sentido esta extensão para o Deus verdadeiro. O proprietário deste blog, historiador que é, sabe bem que essa palavra vem do grego eidolon, "ídolo", e latreuein, "adorar". Esse termo refere-se à adoração ou veneração aos ídolos ou imagens, quando usado em seu sentido primário. Porém, em um sentido mais amplo, pode indicar a veneração ou adoração a qualquer objeto, pessoa, instituição, ambição etc, que tome o lugar de Deus, ou que lhe diminua a honra que lhe devemos. Logo, idolatria consiste na adoração a um falso deus (objeto ou imagem), ou a prestação de honras divinas ao mesmo. Idolatria é pecado.

Vou usar trechos de seu comentário para analisar:
Você diz "Mas, não entendo por que muitos protestantes acusam os cristãos católicos de idolatria."
Meu caro, a questão não é a "acusação"! Quem somos nós para acusar? Nós, ou pelo menos eu, sempre tentei mostrar, pela Bíblia, o quanto a prática da idolatria é abominável aos olhos de Deus. Eu fico imaginando quantas pessoas tem sede de conhecer a Deus, mas, coitadas, não tem o discernimento para enxergar os graves erros cometidos em nome de Deus!

"Acaso, nós católicos, substituímos nosso Deus por alguém ou alguma coisa?"
Como não? Segundo a igreja católica, quem "guarda e protege" Upanema é Conceição! Ou você não sabia que PADROEIRO significa protetor e guardião? Será mesmo que Conceição consegue guardar e proteger Upanema? Veja o que o salmista declara: "Ele não permitirá que os teus pés vacilem; não dormitará aquele que te GUARDA" (Salmos 121:3). O versículo 5 diz: "O SENHOR é quem te guarda…"! E você ainda pergunta "como é que pode ser idólatra"? Francamente!

"Será por causa dos santos da Igreja?"
Rapaz, como é que você desconsidera um texto como o Salmos 115:1-8? Ou Êxodo 20:4-5? "Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso..." Levítico 26:1 "Não fareis para vós ídolos, nem vos levantareis imagem de escultura, nem estátua, nem poreis pedra figurada na vossa terra, para inclinar-vos a ela; porque eu sou o SENHOR vosso Deus." E o que dizer das procissões? Em Isaías 45:20 "Congregai-vos, e vinde; chegai-vos juntos, os que escapastes das nações; nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira, e rogam a um deus que não pode salvar." Nem a luz do sol, no pingo do meio dia consegue ser mais claro do que isso!

Nobre Luiz Henrique, Deus não é Deus de confusão! Citando o texto de Ex. 20:4-5, você disse que Deus PROIBIU o homem de fabricar para si imagens de escultura. Mais adiante você mesmo disse que essa ordem de Deus "entra em cheque", ou seja, Deus deu uma "contra-ordem" a Ele mesmo, segundo o que você mesmo disse, pelo fato de as imagens servirem para enaltecer o próprio Deus. VEJA A CONFUSÃO QUE VOCÊ CAUSOU!

Mais a frente você diz: "É proibido fazer imagens de Deus Pai, pois ele não é algo que se possa abstrair, por isso, as imagens de Cristo, que é a revelação do Pai, são uma maneira de o povo de Deus manifestar a sua fé, adoração e amor, não na imagem em si, mas no Deus que está no céu."
Sinceramente, sou obrigado a lhe dizer: SE DECIDA! Veja que a proibição é geral: não foi feita exceção nem para "alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra..." (Ex. 20:4)

Para você ter uma ideia, imagens geram muitas controvérsias até dentro do catolicismo!
1- Em 730 foram incentivadas;
2- Em 731 houve excomunhão de seus destruidores;
3- Em 787 foi oficializado seu culto;
4- Em 794 voltaram atrás, dizendo que não deveriam ser veneradas, servindo para lembrança;
5- Em 843 voltou o culto a elas. O Concílio de Trento (Sess. 25), realizado em 1546, deliberou que "as imagens de Cristo e da Virgem Maria, Mãe de Deus, e de outros santos devem ser possuídas e guardadas, especialmente nas Igrejas e devem ser alvo de honra e veneração." Interessante é que as decisões dos concílios e dos papas, consideradas infalíveis, são sempre retificadas. Porque será?

No final, você acusa os protestantes de caluniar a "Santa Igreja" com difamações, mas esqueceu relatar todas as atrocidades cometidas por esta mesma "santa igreja"! Você não pode rasgar os livros que contam a maldade que sua igreja católica fez no decorrer de sua peregrinação. Isso é história! Ou você tem coragem de dizer que a Santa Inquisição não aconteceu? E as cruzadas? Será que a igreja não tem sua parcela de culpa pelas atrocidades cometidas àquelas pobres e desgraçadas criaturas?

A Inquisição, ou "Santa Inquisição", foi uma espécie de tribunal religioso criado na Idade Média para condenar todos aqueles que eram contra os dogmas pregados pela Igreja Católica. Fundado pelo Papa Gregório IX, o "Tribunal do Santo Ofício da Inquisição" MANDOU PARA A FOGUEIRA milhares de pessoas que eram consideradas hereges (praticante de heresias; doutrinas ou práticas contrárias ao que é definido pela Igreja Católica) por praticarem atos considerados bruxaria, heresia ou simplesmente por serem praticantes de outra religião que não o catolicismo. A inquisição foi uma realidade. Você não pode jogar ao fogo os livros que falam sobre isso.

Mais terrível que qualquer episódio da história humana até então, a Inquisição enterrou a Europa sob um milênio de trevas deixando um saldo de incontáveis vítimas de torturas e perseguições que eram condenadas e que era lida a sentença em praça pública. Você não pode jogar ao fogo os livros que falam sobre isso.

Galileu Galilei foi um exemplo bastante famoso da insanidade da "santa igreja" na Idade Média: ele foi perseguido por afirmar através de suas teorias que a terra girava em torno do sol e não o contrário. Esse é apenas um exemplo para entendermos o porque de a Idade Média ser conhecida, para a ciência, como idade das trevas! Você não pode jogar ao fogo os livros que falam sobre isso.

Lembro-me de uma certa vez, ainda na universidade, conversando com um grande amigo meu de Aracati/CE, católico fervoroso, lhe sugeri que desse aulas da história da igreja católica no grupo de carismáticos que ele fazia parte. E ele me disse: "Tá louco Jander? Isso é impensável, pois essa seria a forma mais rápida de nos afastarmos dela!

Finalizando, também peço que pare com essa "mania de perseguição" atribuída aos protestantes! Quem domina essa "arte" é a sua "santa igreja católica".

pecado é ver pessoas passando fome,criança e idosos na rua sem ter uma casa digna para morar, doente indo para hospitais e não ter atendimento nem remedios, mesmo sabendo que pagamos impostos para termos esses direitos
básicos, isso é pecado, não discurtir quem acredita em imagem, qual religião está certa, a relação entre um ser humano e Deus só interessa a ambos, ninguém tem autoridade para julgar. quem gosta de citar a biblia como exemplo não prova que essa biblia é sagrada. até hoje nem os próprios cristãos se entende qual a bíblia seguir, e os mulçumanos que são maioria no mundo como ficam? vão todos para o inferno? paciência!!!!!

Seria interessante que Xavier e Luiz Henrique "alinhassem" os seus pensamentos, haja visto que Luiz Henrique, católico que é, reconhece que idolatria existe. Porém, Xavier, católico que é, não reconhece que exista a mesma idolatria!

Ai fica difícil, não é?

cristo veio á terra por uma razão:
dar sua vida como resgate por voce, por mim POR TODOS NOS.ELE SACRIFICOU A SI MESMO PARA NOS DAR UMA SEGUNDA CHANCE...ELE nos convida a ama-ló,Ele insisite em que o amemos, então vamos amar o proximo mesmo ele fazendo o que pra ele e certo diante de jesus.pra que toda esse debate se existe um so juiz(Deus) que conhece o coração de cada um, acho que devemos respeitar e acima de tudo fazer o que jesus nos manda: amar o proximo.sou evangelica, mas ja fui catolica, mudei a religião porque hoje me sinto a presença do espirito santo , e descobrir que a religião e apenas um canal para se chegar a Deus, devemos ganhar almas para jesus de forma inteligente, sem agredir verbalmente, ate porque jesus nosso grande mestre assim fez, com palavras e atitudes deixou ser julgado por um crime que não cometeu, mas por amor a mim e a voce ele suportou a cruz.NÃO FORAM PREGOS QUE PRENDERAM JESUS A UMA CRUZ FOI O AMOR. POR FAVOR CELEBREM A VIDA E GANHEM ALMAS PARA O REINO DE DEUS.
LIGIA MACIA ALVES .

Arrocha, crentólicos!!!!

O Professor Aldemir, fez uma crítica severa aos Católicos em virtude de acreditar que os mesmos estão no caminho errado e que não são Cristãos. Porém, todos nós sabemos que todos que crêm no CRISTO, são cristãos, independente de credo ou religião.
Concordo com o Jander, que falou, que a história não pode ser apagada quanto as barbaridades cometidas pela Igreja Católica. Realmente isso é uma verdade incontestável. Sabemos que os Romanos perseguiram os cristãos e assassinaram milhares deles. Foi por esse motivo que os cristãos daquela época se uniram aos Romanos, daí nasceu a Igreja Católica Apostólica Romana.
O Luiz Henrique disse em determinado momento que Jesus criou a Igreja Católica, fato que desconheço. Não vi nenhum registro na história. Pelo que sei Jesus não tinha nem profetizava nenhuma religião específica. E pelo que sei, a primeira Igreja criada após a morte de Jesus Cristo foi fundada por Simão Pedro e mais alguns apóstolos de Jesus, num lugar chamado Ló, que ficava num caminho que se ligava a Jerusalém.
E que antes de ser Igreja era chamado de Casa do Caminho. Era uma casa onde Pedro e os outros apóstolos recebiam os enfermos que eram abandonados para morrerem a míngua e na miséria nas periferias de Jerusalém. Essas pessoas eram enfermas de doenças consideradas incuráveis e contagiosas e eram chamados de imundos. Lá na casa do caminho eles recebiam cuidados médicos e recebiam as pregações do evangelho segundo o Cristo. Foi aí onde começou a primeira Igreja Cristã. E não tinha nome de Católica nem de Protestante. Algum tempo depois, quando da conversão de Paulo de Tarso, a Igreja Cristã foi expandida para muitos lugares.
Nota. Segundo o espiritismo - Sem caridade não há salvação.
O que entendo é que não importa a religião ou doutrina há que pertençam os homens, o que interessa é praticar a caridade, o amor ao próximo, ajudar aos mais necessitados, honrar os pais e Crer em Deus.
Não pensem os senhores religiosos, que quando morrerem, sairão dessa vida terrena e irão diretamente para o CÉU simplesmente porque são de religião essa ou aquela. É preciso que haja a evolução espiritual e que o espírito esteja purificado para que seja merecedor da salvação.
Assina: Ferreira.

Gente o "que" "que" é isso?
Agora sim seguindo( @uapnemanews ).
Atualizado-me sobre Upanema cyte.

Gostei... CRENTOLICOS!