.

.
 

Postagem em destaque

MORADORES DENUNCIAM LIXO EM SUAS RUAS

::lixo          Os moradores da Rua Capitão José Gomes de Souza Bastos não conseguem dormir e nem conversar nas calçadas de suas casas de...

REUNIÃO REALIZADA NO CARNAVAL MARCOU ADESÃO DE MAIS UM GRUPO PARA A OPOSIÇÃO

dia quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016
::política 
           O carnaval de Upanema também foi palco de eventos políticos. Um dos mais comentados foi a reunião realizada pelos irmãos da família Carlos e Oliviera, em especial os irmãos, Arlindo, Amon, Almir e Antonio, este que veio especialmente do Rio de Janeiro, onde reside, para passar o carnaval em nossa cidade.

          Estiveram presentes ao evento dezenas de convidados. Entre eles destacamos o presidente do PMDB, Manezinho, todos os quatro vereadores da oposição, Aisamaque Dalyton, Gineton Costa, Canindé Rocha e Valério Augusto. Ainda o ex-vereador Dárcio Régis, Carlos Lopes, Rivaldo Gondim, os empresários Érico e Marília, além de nomes da militância da oposição como Maria Gama, Zé Brás, Zé Neto entre muitos outros.

      Cada convidado da reunião teve a oportunidade de expor sua opinião. O momento de maior impacto da reunião foi quando o Senhor Antonio, em seu pronunciamento, disse que "fez muito para o atual prefeito chegar a prefeitura e agora vai fazer de tudo para tirá-lo de lá".

         Importante destacar que os organizadores da reunião são tios do atual vice-prefeito, que permanece no grupo da situação, ao contrário de cerca de 80% de sua família que está integrando a oposição, de acordo com familiares ouvidos. 

        Existia ainda a expectativa de que Arlindo anunciasse sua candidatura a vereador, o que não ocorreu. Questionamos Arlindo sobre sua candidatura e ele informou que ainda não era o momento.

         Essa é mais uma importante família do município que vem somar com o grupo da oposição que a cada dia cresce e se fortalece.


Comentários
6 Comentários

6 comentários:

Sou da família e acompanho Juninho onde ele estiver,independente de onde ele esteja,porque os políticos da família é ele e tia Maria José,são eles os nossos líderes.

Nenhum tem voto, quem tem é Juninho e Maria José!

Respeito plenamente a opinião do sobrinho de Maria Josá que deverá ser meu também sobrinho só não respeito a covardia do anonimato, Minha irmã continua sendo minha lider apenas divergimos no campo politico no momento, quanto ao segundo comentario para refrescar sua memoria lembro que em 2014 para Deputado estadual no decorrer de 2 dias eu e mais dois irmãos conseguimos 150 votos a hoje deputada era completamente desconhecida na cidade é sempre bom não subestimar a capacidade dos outros.

com o poder do dinheiro,quero ver no corpo a corpo seu Amon.Política estadual é diferente da política local.A campanha para deputado a maioria das pessoas estão descompromissadas,diferente da política local,o senhor já pensou nisso?e qual é o servico prestado que o sr.tem aqui em Upanema?diferente da sua irmã dona Maria José e de seu sobrinho Anísio júnior e tenha cuidado com a justica.

Arlindo Carlos de Oliveira 2/13/2016 6:46 PM

Arlindo Carlos de Oliveira disse:

Há mais de 6 meses, não venho fazendo comentário em nenhum blog, até porque me falta tempo. Todavia, é preciso que se faça justiça: esse blog presta relevantes serviços à população upanemense. Volto, desta vez, fazendo um relato da saúde pública do nosso município, administrada pela atual administração. Ora, fazer crítica por fazer, não merece credibilidade. Porém, fazer crítica com sentido amplo e construtivo, merece aplauso, merece respeito.
Pois bem: estava em viagem no mês de dezembro/2015, em atividades profissionais, quando recebi uma ligação, pelo celular, de uma pessoa aos prantos, chorava compulsoriamente, e que se identificava como ROSÁLIA DE FÁTIMA MEDEIROS, bastante conhecida na cidade de Upanema,e que desempenha a função de "Gari", pessoa pobre, simples, humilde, funcionária pública municipal na atual gestão.
Na conversa que tive com ela naquele momento, senti, pelo choro, pelo sofrimento, pela aflição, pelo desespero, de que se tratava de um caso extremamente grave, muito grave. De Repente, senti que poderia haver uma solução que pudesse aliviar o sofrimento daquela pobre mulher humilde. No seu relato, dizia que tinha em mãos um laudo médico, fornecido pelo Dr.Rodrigo Morais de Paiva, afirmando que a paciente necessitava urgentemente fazer uma cirurgia de cálculo renal, sob pena de comprometimento de seus rins, que se não fosse realizado tal procedimento, ocorreria sério risco de outras complicações, até mesmo à morte.
Primeiramente,que a atitude eu deveria tomar? Aconselhei-a a procurar à Secretaria de Saúde do Município. Assim o fez.Como de praxe, a Secretária levou o caso para o Sr. Prefeito, o que prontamente negou o pedido, alegando que não havia qualquer condição financeira de realizar tal cirurgia.Não se convenceu. Insistiu várias vezes, numa luta árdua e incansável contra a morte. começaram as dores insuportáveis. Crises sucessivas e diárias sem qualquer solução por parte do poder público.Como forma de aliviar as dores, começo a tomar injeções todos os dias, já não aguentava mais tanto sofrimento,que era partilhado com todos que tinham conhecimento da gravidade do caso.Todos os garis compartilharam e se solidarizavam com o sofrimento de Rosália. Outros se revoltavam contra aquele que não tem pudor, amor ao próximo, respeito a pessoa humana. É preceito constitucional: todos têm direito à vida. O direito à vida deve ser entendido em consonância com o princípio da dignidade da pessoa humana.Não pode o poder público municipalnegar a saúde a quem precisa. Deve compactuar com a dor e o sofrimento de dezenas de pessoas upanememses, pobres e carentes que, ao buscarem, por falta de opção, tratamento no Sistema Único de Saúde, ficam a mercê de um sistema de saúde em nossa cidade precário e ineficiente que muitas vezes conduz à morte.A saúde é um direito consagrado a todos, constituindo dever do Estado.Obrigando-se o ente político, portanto, ao atendimento pretendido.
Diante do quadro clínico em que Rosália se apresentava, resolvi abraçar juridicamente a causa. Entrei com uma ação na justiça, requerendo que o poder judiciário obrigasse, mediante liminar, que a Prefeitura de Upanema realizasse urgentemente a cirurgia de Rosália. E aí a justiça fez justiça. Determinou imediatamente a sua realização, sob pena de multa de R$ 500,00 por dia. A cirurgia foi marcada, graças a Deus e a justiça, esta tarda, mas chega.Hoje, dia 13/2/2016, Rosália vai ser operada com a graça de Deus e voltará ao nosso convívio com saúde. Que Deus a abençoe. Que todos rezem por ela. Amem!.

Respondendo ao Sr.Luis Antonio quero reafirmar os relevantes serviços prestados por Maria Jose e Junior ao povo de Upanema, quero também afirmar que os referidos serviços tem em sua maioria a ajuda dos que o Sr.diz não ter serviços prestados. Quanto ao cuidado com a justiça isso deve ter o Sr.que está me acusando de maneira leviana e irresponsável de compra de votos, lembre-se que o ônus da prova compete ao acusador.