Vazão reduzida na maior barragem do RN causa falta d'água em 4 municípios Redução causou interrupções em Mossoró, Assu, Serra do Mel e Upanema

dia quarta-feira, 28 de maio de 2014

Segundo a Caern, o sistema deve demorar 72 horas para ser normalizado.
Do G1 RN

Comente agora
Barragem Armando Ribeiro Gonçalves está com 34,81% da capacidade (Foto: Canindé Soares)
Barragem Armando Ribeiro Gonçalves é o maior reservatório do Rio Grande do Norte (Foto: Canindé Soares)
A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) informou que está tentando, o mais rápido possível, solucionar o problema da paralisação no abastecimento de água em Assu, Serra do Mel, parte do município de Mossoró e em uma comunidade de Upanema, ambos na região Oeste potiguar. Segundo a companhia, a interrupção do serviço foi provocada pela diminuição na vazão da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves – o maior reservatório do estado.
“No início da semana, a Agência Nacional de Águas (ANA) - responsável pela operação do Sistema Curemas-Açu - reduziu a vazão da Barragem Armando Ribeiro Gonçalves de 6 metros cúbicos por segundo para 5 metros cúbicos por segundo, causando a falta de água no Sistema de Captação e Tratamento de Assu”, afirma a Caern.
Ao tomar conhecimento, a companhia disse que “imediatamente entrou em contato com a Superintendência de Usos Múltiplos e Eventos Críticas da ANA e, na manhã desta quarta (28), a agência já havia providenciado a abertura para a vazão anterior”, complementa.
O Sistema Curemas-Açu, localizado na bacia hidrográfica do rio Piranhas-Açu, é constituído de dois grandes reservatórios: o Curema-Mãe D’Água, na Paraíba, e a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, em Assu, no Rio Grande do Norte. “O rio Piranhas-Açu, perenizado por esses reservatórios, é de domínio da União. A operação do sistema é de responsabilidade da ANA e do Dnocs, com apoio dos órgãos gestores dos estados da Paraíba (AESA) e Rio Grande do Norte (Semarh e Igarn)”, explica a Caern.
Ainda na manhã desta quarta, a Caern informou que os gerentes das regionais Mossoró e Assu, Nehilton Barreto e Antônio de Pádua, estiveram na captação da adutora Jerônimo Rosado, localizada às margens da Armando Ribeiro Gonçalves e nas imediações do balneário da barragem para avaliar a situação. “Na captação, durante a manhã de hoje, o volume acumulado ainda era muito baixo para fazer a captação de água normalmente. Nos dois locais visitados pelos gerentes haviam técnicos que trabalham para a Agência Nacional de Águas e para o Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (Dnocs) realizando medições na barragem. Os gestores afirmaram sobre a preocupação com a redução na vazão e os técnicos garantiram que iriam regularizar a vazão para permitir a captação normal”, garantiu a companhia.
72 horas
Com a redução da vazão na Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, foi afetado o abastecimento de água em todo município de Assu, 25% em  Mossoró e 50% em Serra do Mel, além de toda a comunidade de Palheiros III, no município de Upanema.

Segundo a gerente de Controle de Empreendimentos da Caern, engenheira Geny Formiga, mesmo com a providência tomada na manhã desta quarta-feira pela ANA, abrindo a comporta para a vazão de 6 metros cúbicos por segundo, o sistema deve demorar pelo menos 72 horas para atingir a situação de normalidade. “É o tempo necessário para que ocorra a pressurização das adutoras Jerônimo Rosado e Assu”, disse.

Comentários
1 Comentários

1 comentários:

procure realmente saber se tem médico de plantão durante o dia amanhã no hospital,pelo que estamos sabendo n vai ter médico,se tivvvvvvvver é amanhã a tarrrrrrrde,e vejam quem é,